London Spy (Mini-série) | A resistência diante do (quase) impossível


Uma noite em que Daniel, uma rapaz que não passa dos 27 anos, entra em alguma boate com determinação que a noite irá trazer algo de bom, mas quando a manhã chega, Daniel sai da boate com claros sinais de uma noite fracassada, ele se encontra sozinho, esquecido pelos amigos em uma ponte sob um céu nebuloso de Londres. Mais uma vez ele tenta entrar em contanto com os amigos porém ninguém atende e pela súbita raiva, marejada pelas bebidas e drogas consumidas, Daniel atira seu celular no chão. A poucos metros dali, outro jovem vê a cena e se aproxima, seu porte denota uma completa oposição à instabilidade, descuido e maneiras de Daniel, o jovem chamado Alex, recolhe os restos quebrados do celular e entrega ao dono. Ambos param e se olham. Alex, como se enxergasse todo infortúnio de Daniel pergunta se ele está bem, como Daniel descreve posteriormente, não é um simples e automático: você está bem? Ouvido tantas vezes ao dia. Era como se ele encontrasse, finalmente, alguém com empatia, alguém que verdadeiramente se importasse. Dias depois deste breve encontro, Daniel ia para aquele mesmo local com o intuito de encontrar Alex novamente. 

Felizmente, este acontecimento digno de uma cena icônica de filmes do melodrama, transformou-se em uma relação. Durante tudo o que viveu, onde as crônicas não são poucas, internamente Daniel ansiava por algo que se estendia além do efêmero, das relações breves que vivia, um desejo que acabou projetando e encontrando em Alex, um rapaz que em quase todos os sentidos é diferente de Daniel, uma pessoa anti-social, couma mente brilhante, indistinguível entre tantas pessoas que passam em qualquer lugar. É uma pessoa que não sabe muito bem como agir em qualquer laços que cria, porque ele não tem experiências com issoOito meses de relacionamento passou, porém um dia Daniel visita a casa de Alex, ele não aparece para abrir a porta, não atende o celular, a tristeza de ter sido abandonado dar lugar a preocupação, dez dias se passaram  e não surge nenhuma notícia, não há ninguém que possa ajudar, pois Alex não tinha contato com ninguém, nem com as pessoas do banco, seu local de trabalho. Algum dias depois, Daniel recebe um pacote contendo quatro chaves da casa de Alex, só que não há nada em todos os compartimentos exceto o porão, onde entre um caixa com drogas, uma cama e vários itens e vestimentas de sadismo, ao canto há um grande baú abaixo dele há uma poça de sangue no chão, Daniel se aproxima cm horror e abre o baú revelando um corpo  em estado de decomposição. 

No interrogatório, entre a confusão e incredulidade do que estava acontecendo, Daniel acima se tudo se encontra desesperado, a policial que realiza o inquérito mostra que o rapaz que Daniel chama de Alex, não trabalha no banco que dizia trabalhar, ele ainda tinha uma família viva, Alex, na verdade se chama Alistar e era um agente do MI6. 

Daniel, de todo o descrédito de ser considerado um assassino e denominado como um pervertido pelos jornais, tem uma imensa e impressionante coragem de lutar para identificar quem matou seu parceiro, mas a cada passo, mais intricada se torna sua tentativa de ser ouvido. Como lutar contra o governo? Ao primeiro olhar é uma luta perdida, quem matou Alex está protegido pela instituição que de todos sabe e de tudo pode fazer, mas que ninguém vê ou tem o poder de fazer algo contra. 

Resultado de imagem para london spy

Com traços bem marcantes do cinema noir, London Spy possui uma instigante trama, o que causa isso em grande parte é seu ponto de vista, o espectador somente sabe e descobre o que Daniel vai conhecendo ao longo do caminho. Nós espectadores não sabemos o que surgirá exatamente, pois não há um antagonista transparente, o MI6\governo, não é algo que se possa denominar uma mente orquestradora. E o antagonista em questão, a princípio brinca com a própria sanidade de Daniel, apontando informações que podem ser falsas ou não, que tenta deturpar a imagem de Alex e de seu passado. Além de tudo, tentam impedir que ele tenha alguma voz. Essa batalha por querer que saibam a verdade sobre o assassinato e a frustração e não conseguir isso de fato, torna o espectador comprometido com a história, tanto pela empatia do espectador por um personagem errante que tenta arduamente realizar uma atitude moralmente positiva, quanto pelo constante surgimento de informações que adicionam mais tensão a cada episódio. 

Entre todas as séries da BBC, é perceptível um artifício presente em todas elas, que é uma boa cinematografia. London Spy tem como cinematografia o principal traço, todos os recursos usado são básicos, mas são aplicados de forma eficiente. O uso de câmera na mão juntamente com o planos bem fechados nos personagens criam uma atmosfera claustrofóbica que até certo ponto poderia ser usada com mais economia, pois a atuação esplendida de todos os envolvidos já entregam a carga emotiva da cena. Em vários momentos são utilizadas luzes fortes e diretas, que em personagens como Alex e de sua família, criam uma demarcada sombra que passam a ideia de mistério, segredos e mentiras escondidos por aqueles personagens. Aqui também há um trabalho primoroso de composição de quadro, com esquemas bastante simples, como planos mais abertos onde a família de Alex sempre se encontra de um lado do quadro enquanto Daniel se posiciona no lado oposto. As mudanças de lentes e estas maneiras básicas de encenação torna a narrativa clara e estimulante. 

A todo instante Daniel é levado a uma decisão diferente e o que torna todos os episódios e a participação de determinados personagens em algo homogêneo ao mesmo tempo uma força narrativa é a montagem. As sequencias em que Alex aparece interagindo com Daniel tem sempre ações descontinuadas do som e com planos bem fechados, como se Daniel estivesse lembrando de detalhes dos momentos que viveu com seu companheiro e repassando cada gesto para identificar se em algum momento, Alex indica alguma pista de quem pode ter sido o assassino. 

Resultado de imagem para london spy

London Spy é uma mini-série que pede uma segunda temporada pelo seu final aberto e indica para ela confronto difícil e perigoso que Daniel terá, mas que nesta primeira temporada entrega uma trama narrativamente bem construída, que estabelece uma ânsia no espectador e ao mesmo tempo respeita-o, deixando sempre espaço para que ele pense, indague e imagine o que está por vir. Sem dúvida é uma forte indicação para aqueles que gostam de histórias que flertam com o gênero policial e drama. 
-Letty
Compartilhe no Google Plus

Autor Leticia Belo

    Comentário Facebook
    Comentário google

Nossa Equipe!

Berserker Bruce Wayne Fëanor Mashiro Moritaka Snow Bunny Tsuna Letty Image and video hosting by TinyPic